Pular para o conteúdo principal

VOCÊ É UMA CAIXA

Certa vez escrevi em uma dinâmica motivacional que nós humanos éramos  como caixas...
E que cada caixa possui um conjunto de predicados que finalmente pode diferenciá-la de outra...
Nós professores, somos portanto uma categoria muito especial de caixa...
Cada um possui o seu conjunto de faces a serem apresentadas nos mais diferentes momentos...
Cada um possui suas arestas a serem aparadas e seus mais diversos vértices a serem desvendados...
Cada caixa revela um conteúdo...
Cada conteúdo um universo de possibilidades!
Muitas caixas , podem se revelar vazias...
Outras amassadas, tortas e desgastadas pelos infortúnios causados pelas mais  variadas viagens...
Ora levando...ora trazendo...  E muitas vezes apenas guardando...
Algumas caixas são sujas, maltratadas,  porem são limpíssimas por dentro...
Outras possuem tesouros inestimáveis, riquezas de valores incalculáveis...
Somos caixas porque ao contrário de muitas outras categorias de caixas, não podemos esconder estes tesouros...
Somos caixas abertas ao mundo... E mesmo quando cheios de lixo... e enquanto muitos se fecham...
Temos o dever de estar sempre abertos...
Transportando pessoas, sonhos e ideias... sempre para os pontos mais altos e mais longínquos do saber.
Somos caixas, porque simplesmente não temos nada a esconder, quando muitos se fecham...
Fomos concebidos para doar sempre mesmo quando isso signifique se esvaziar completamente...
Assim, como caixas também estamos sujeitos ao empilhamento quando ficamos pesados...
Ou cheios de angustias....
Muitos de nós ficamos então aterrorizados pelo medo de seguir viagem...
E muitos sucumbem ao empilhamento...
Acomodados em dúvidas,  incertezas, preconceitos e arrependimentos.
Outros tantos, por permanecerem tanto tempo levando e trazendo, e às vezes ao se esvaziarem completamente não encontram mais forças para um completo preenchimento de motivação e ânimo...
Alguns são caixas reluzentes de uma beleza superficial sem par e não obstante sofridas portadoras de um vazio sem fim...
Somos como caixas na medida em que nos sentimos fortes quando o peso é grande ou quer quando estejamos vazios de qualquer coisa...
É preciso portanto, tomar posse da ideia de que cada caixa é uma caixa...
Grande, pequena, cheia, vazia, suja ou limpa...
Cada uma tem a sua missão a cumprir e cada uma com  um conteúdo próprio , com uma viagem pessoal e intransferível...
Sem subterfúgios ou preâmbulos é preciso  que cada caixa  assuma  seu papel na educação do mundo, seja levando, trazendo, guardando...ou simplesmente estando aberta, livre e leve...
Se suja por fora, que tome um banho de beleza, cor e brilho...
Se vazia, procure se preencher daquilo que realmente importa como objeto de troca e aprendizado...
Se torta, amassada, faça uma lanternagem, compre, gaste com você mesmo, se transforme naquilo que seus olhos merecem ver...
Se está cheia de tranqueiras, lixos e trambolhos desnecessários, faça uma reciclagem, renove seu interior.
E finalmente, como caixas especiais que somos, transportadoras de saber por excelência, é preciso que estejamos sempre cheios de conteúdo nobre...
de pedras preciosas... de surpresas imemoráveis...
Por que nenhuma caixa com essa categoria pode se dar ao luxo de permanecer fechada...
O mundo é feito daquilo que oferecemos e transportamos.
As ideias que circulam e movimentam o mundo são feitas  pelo precioso conteúdo que reside dentro de nós...
Portanto  caro amigo,
Seja uma caixa aberta, ampla e diversificada...
Seja um presente, um brinde, uma grande surpresa
Para os pequenos e curiosos
Os grandes e enxeridos
Seja uma grande surpresa para você mesmo...
Para quem você ama
E para o mundo no qual você é o principal construtor.
Somos professores, porque somos caixas abertas a compartilhar o mundo!

PARABÉNS PELO SEU DIA AMIGO PROFESSOR

Comentários

Postar um comentário

Vamos compartilhar nossas possibilidades.
Distribuir nossas idéias.
Agir e interagir no espaço comun dos blogeiros de qualquer tipo.

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA CLÁSSICA E AS IDEIAS DE MAQUIAVEL.

A tradicional concepção de política  proposta por Aristóteles, prevê uma visão oriunda da natureza humana  e que através de um continuo aprimoramento leva o indivíduo a  desenvolver um comportamento virtuoso por meio de escolhas que  possibilitem  a realização do bem comum e individual no contexto social grego. Há uma estreita relação entre o comportamento ético e o comportamento político, que inevitavelmente está ligado à moral, pois o ato de perseguir este bem moral, este bem comum, o bem da polis leva o indivíduo  a exercer e deliberar sobre os assuntos da polis. E isso reflete uma igualdade entre aos cidadãos, que a partir da unidade constroem a diversidade, princípio fundamental da vida e da política grega segundo Aristóteles. Nesta perspectiva, contrariando o pressuposto lógico da anterioridade do indivíduo, a polis é anterior a este, e este sem a polis não poderia existir. É a cidade que sustenta conceitualmente o individuo e é por meio dela que o individuo realiza e potencializ…

Esoterismo é uma religião?

Bem, foi esta pergunta que uma grande amiga me fez outro dia, quando por ocasião de uma situação inusitada, ouvíamos na CBN uma entrevista com Teólogo e Professor de filosofia da UFRJ, Leonardo Boff. O repórter da CBN havia lhe perguntando a respeito da reação tardia da igreja católica sobre a onda de casos de pedofilia envolvendo padres católicos.

Durante o papo e falando sobre a problemática da sexualidade humana, na igreja e na família como um todo, acabei pegando um gancho nas belíssimas respostas dada por este grande mestre Leonardo, e lhe apresentei minha posição pessoal sobre o que significa Integração Holística, busca ao transcendente, equilíbrio humano, dualidade e outros tantos conceitos que fazem parte do dicionário de quem, sem dar nome ao bois tem uma busca pessoal baseada na verdadeira acepção da palavra religiosidade.

No vai-e-vem do papo ontológico que travamos, referi-me ao conceito de esoterismo como um caminho de integração e conexão (No sentido de Religare e não de…

O Discurso do Método Terceira parte

O estudo da obra de Descartes, mais precisamente entre a 3ª e 4ª parte do Discurso do Método, conforme proposto pelo professor, iniciou-se com a revisão dos conceitos elaborados pelo autor que culminaram com a sua mais famosa máxima: Penso, Logo Existo. A partir desta perspectiva o mesmo constrói sua linha de raciocínio em busca de uma contínua desconstrução de todo e qualquer obstáculo ao princípio de verdade. O que o autor define como Dúvida Metódica. Começa por meio da implantação de um filtro, onde através de análises profundas e metódicas, estabelece um critério básico como ferramenta de aprimoramento de suas idéias. Esse filtro se refere, portanto à definição da verdade e da falsidade nas coisas. Aquilo que possuir a verdade em sua totalidade, passa no filtro do que pode ser dito como verdade e de outra forma, aquilo, que possuir ou conter mesmo que pequenos traços de falsidade deve ser descartado do contexto das verdades dotadas de clareza e exatidão em sua essência.

Em busca …