Pular para o conteúdo principal

Escolhas


Por Vander Soares

Existe mesmo uma infindável malha de pré-disposições contextuais para fatos e atos do cotidiano humano que mais de uma vez tem me alertado para o significado, se não específico, ao menos geral, de algumas possibilidades embrionárias do mal latente.

É tolice e displicência juvenil ignorar tais pré-disposições. 
Seja em questão de fé ou de empirismo acadêmico é um erro pensar na aleatoriedade das coisas no plano local de nossa existência. 

Sensatez e auto-conhecimento, mais do que ciência ou religião é o que pode nos aproximar sobremaneira do percentual probabilístico mínimo necessário para alterar o curso das tragédias morais e humanas que nos cercam inexoravelmente.

Na verdade a superação de tais dissonâncias no que tange nossa capacidade de superar tais situações de ingerência pessoal, seja nos mais débeis problemas  ou nas mais complexas relações de causa e efeito vão aos poucos se transformando em uma espécie de letargia conformacional. 

É nesse ponto que a maioria cede seu direito de intervir,  alienando suas potencialidades  a um mundo que hoje, mais do que em qualquer  outra época é capaz de pensar pelo individuo. Neste pensar do mundo pelo individuo, é que é atribuído uma infinidade de papéis e máscaras pré-determinadas para fazer do individuo pensante uma individuo alienadamente informado.

Opções, perspectivas ou probabilidades são variáveis de uma mesma realidade, da mesma forma que auto-controle, auto-conhecimento e equilíbrio coadunam entre sí para fortalecer  nossa capacidade de reagir, por um lado internamente, não no processo de construir blindagens, mas de adaptar-se, e externamente no processo mais complexo ainda que é o de se relacionar com as opções e escolhas.

Portanto, essa é a questão  inerente às pré-disposições que nos permitem algumas poucas chances de intervenção: fazer escolhas que não voltam tentando errar o mínimo possível e não se esquecendo de que no fundo seremos os únicos responsáveis por elas...mas nem sempre os únicos beneficiários ou prejudicados.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA CLÁSSICA E AS IDEIAS DE MAQUIAVEL.

A tradicional concepção de política  proposta por Aristóteles, prevê uma visão oriunda da natureza humana  e que através de um continuo aprimoramento leva o indivíduo a  desenvolver um comportamento virtuoso por meio de escolhas que  possibilitem  a realização do bem comum e individual no contexto social grego. Há uma estreita relação entre o comportamento ético e o comportamento político, que inevitavelmente está ligado à moral, pois o ato de perseguir este bem moral, este bem comum, o bem da polis leva o indivíduo  a exercer e deliberar sobre os assuntos da polis. E isso reflete uma igualdade entre aos cidadãos, que a partir da unidade constroem a diversidade, princípio fundamental da vida e da política grega segundo Aristóteles. Nesta perspectiva, contrariando o pressuposto lógico da anterioridade do indivíduo, a polis é anterior a este, e este sem a polis não poderia existir. É a cidade que sustenta conceitualmente o individuo e é por meio dela que o individuo realiza e potencializ…

Esoterismo é uma religião?

Bem, foi esta pergunta que uma grande amiga me fez outro dia, quando por ocasião de uma situação inusitada, ouvíamos na CBN uma entrevista com Teólogo e Professor de filosofia da UFRJ, Leonardo Boff. O repórter da CBN havia lhe perguntando a respeito da reação tardia da igreja católica sobre a onda de casos de pedofilia envolvendo padres católicos.

Durante o papo e falando sobre a problemática da sexualidade humana, na igreja e na família como um todo, acabei pegando um gancho nas belíssimas respostas dada por este grande mestre Leonardo, e lhe apresentei minha posição pessoal sobre o que significa Integração Holística, busca ao transcendente, equilíbrio humano, dualidade e outros tantos conceitos que fazem parte do dicionário de quem, sem dar nome ao bois tem uma busca pessoal baseada na verdadeira acepção da palavra religiosidade.

No vai-e-vem do papo ontológico que travamos, referi-me ao conceito de esoterismo como um caminho de integração e conexão (No sentido de Religare e não de…

O Discurso do Método Terceira parte

O estudo da obra de Descartes, mais precisamente entre a 3ª e 4ª parte do Discurso do Método, conforme proposto pelo professor, iniciou-se com a revisão dos conceitos elaborados pelo autor que culminaram com a sua mais famosa máxima: Penso, Logo Existo. A partir desta perspectiva o mesmo constrói sua linha de raciocínio em busca de uma contínua desconstrução de todo e qualquer obstáculo ao princípio de verdade. O que o autor define como Dúvida Metódica. Começa por meio da implantação de um filtro, onde através de análises profundas e metódicas, estabelece um critério básico como ferramenta de aprimoramento de suas idéias. Esse filtro se refere, portanto à definição da verdade e da falsidade nas coisas. Aquilo que possuir a verdade em sua totalidade, passa no filtro do que pode ser dito como verdade e de outra forma, aquilo, que possuir ou conter mesmo que pequenos traços de falsidade deve ser descartado do contexto das verdades dotadas de clareza e exatidão em sua essência.

Em busca …