Pular para o conteúdo principal

SRDZ chama professores de Terroristas


Brasília, professores terroristas!

Valdeci Rodrigues | Valdeci | 08/03/2012 18h25

A "categoria" dos professores do ensino público em Brasília faz terrorismo com alunos e pais de alunos.

Nas escolas, desde o início do ano letivo, havia cartazes com contagem regressiva para a assembléia dessa quinta-feira, em que eles decidiram entrar em greve por melhorias salariais e etc.

Essa contagem regressiva só atinge os alunos e os pais de alunos que vão buscá-los nas escolas.

As autoridades têm seus filhos matriculados em escola particulares.

Senhores sindicalistas profissionais, tenham estatura para aterrorizar os governantes, não os cidadãos comuns e vergados sob os impostos que servem para pagar-lhe os salários.

No próximo texto, contarei aqui neste espaço sobre a quantidade de atestados médicos apresentados por professores no início do ano letivo em Brasília, para não trabalhar.

Isso não causa nenhuma estranheza aos os senhores sindicalistas profissionais, a maioria deles filiada ao PT, o partido do enroladíssimo governador do DF, Agnelo Queiroz, do corrupto governo da ex-guerrilheira Dilma Rousseff.

RESPOSTA DO PROFESSOR

 Vander Soares

Antes de se pronunciar a respeito de uma questão que envolve professores e governo, é preciso que se tenha o bom senso da busca por uma informação precisa e coerente.

Me parece que você, ou este site,  gerido por um tal de Valdeci, nunca entrou em uma sala de aula ou nunca precisou de um professor. Posições como esta, pitoresca  e tendenciosa demonstra falta de maturidade politica e de responsabilidade jornalística para chamar a categoria de professores de terroristas. A divulgação de cartazes nas escolas  faz parte do esclarecimento dos motivos da greve e da manifestação dos direito dos professores junto à população. Muito provavelmente Você não conhece uma escola pública e tampouco a  população das escolas públicas, suas condições, necessidades e dificuldades. Acha que a população interpreta a greve desta forma. Acredita que sua opinião é a opinião dos pais. Desculpe-me, seja lá você quem for, mas não se atreva a chamar profissionais da educação de terroristas...

Sua posição é politica, tendenciosa e  criminosa. Entrar na sala de aula é uma posição nobre.

É um ato de resgate de cidadania... de luta pelo que resta de nobre e justo neste país.

Se  tiver filhos espero que se envergonhe de assumir esta posição, pois do contrário é duvidosa a educação que está oferecendo aos seus filhos. Você não conhece uma sala de aula...nunca entrou em uma para compartilhar sonhos, dificuldades, problemas e perspectivas de crianças de populações carentes...

Falar da posição do professor, falar de atestados e falar de terrorismo sem ao menos se ater aos fatos reais que norteiam o trabalho de um professor é no mínimo falta de respeito com aqueles que lutando contra os interesses políticos, institucionais e governamentais, são os únicos profissionais neste país que ainda gritam, se comprometem  e se envolve com a educação.

Obviamente se você não acredita que o  poder de mobilização social é resultado  de politicas públicas sérias para a educação, então você, que está lendo, atuando, escrevendo e interagindo por meio desta mídia, mesmo que de forma contraditória é resultado de um outro tipo de processo de formação que não a educação livre, aberta, autônoma  e comprometida.

O processo pelo qual você foi submetido, de acordo com suas opiniões, muito provavelmente deve ter se tratado de lavagem cerebral.


Vander Soares

Professor  de Educação Básica no DF a 14 anos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA CLÁSSICA E AS IDEIAS DE MAQUIAVEL.

A tradicional concepção de política  proposta por Aristóteles, prevê uma visão oriunda da natureza humana  e que através de um continuo aprimoramento leva o indivíduo a  desenvolver um comportamento virtuoso por meio de escolhas que  possibilitem  a realização do bem comum e individual no contexto social grego. Há uma estreita relação entre o comportamento ético e o comportamento político, que inevitavelmente está ligado à moral, pois o ato de perseguir este bem moral, este bem comum, o bem da polis leva o indivíduo  a exercer e deliberar sobre os assuntos da polis. E isso reflete uma igualdade entre aos cidadãos, que a partir da unidade constroem a diversidade, princípio fundamental da vida e da política grega segundo Aristóteles. Nesta perspectiva, contrariando o pressuposto lógico da anterioridade do indivíduo, a polis é anterior a este, e este sem a polis não poderia existir. É a cidade que sustenta conceitualmente o individuo e é por meio dela que o individuo realiza e potencializ…

Esoterismo é uma religião?

Bem, foi esta pergunta que uma grande amiga me fez outro dia, quando por ocasião de uma situação inusitada, ouvíamos na CBN uma entrevista com Teólogo e Professor de filosofia da UFRJ, Leonardo Boff. O repórter da CBN havia lhe perguntando a respeito da reação tardia da igreja católica sobre a onda de casos de pedofilia envolvendo padres católicos.

Durante o papo e falando sobre a problemática da sexualidade humana, na igreja e na família como um todo, acabei pegando um gancho nas belíssimas respostas dada por este grande mestre Leonardo, e lhe apresentei minha posição pessoal sobre o que significa Integração Holística, busca ao transcendente, equilíbrio humano, dualidade e outros tantos conceitos que fazem parte do dicionário de quem, sem dar nome ao bois tem uma busca pessoal baseada na verdadeira acepção da palavra religiosidade.

No vai-e-vem do papo ontológico que travamos, referi-me ao conceito de esoterismo como um caminho de integração e conexão (No sentido de Religare e não de…

O Discurso do Método Terceira parte

O estudo da obra de Descartes, mais precisamente entre a 3ª e 4ª parte do Discurso do Método, conforme proposto pelo professor, iniciou-se com a revisão dos conceitos elaborados pelo autor que culminaram com a sua mais famosa máxima: Penso, Logo Existo. A partir desta perspectiva o mesmo constrói sua linha de raciocínio em busca de uma contínua desconstrução de todo e qualquer obstáculo ao princípio de verdade. O que o autor define como Dúvida Metódica. Começa por meio da implantação de um filtro, onde através de análises profundas e metódicas, estabelece um critério básico como ferramenta de aprimoramento de suas idéias. Esse filtro se refere, portanto à definição da verdade e da falsidade nas coisas. Aquilo que possuir a verdade em sua totalidade, passa no filtro do que pode ser dito como verdade e de outra forma, aquilo, que possuir ou conter mesmo que pequenos traços de falsidade deve ser descartado do contexto das verdades dotadas de clareza e exatidão em sua essência.

Em busca …