Pular para o conteúdo principal

A Ética dos Gatunos

Estamos vivendo época de inusitadas possibilidades em torno do universo astucioso de uma nova ética...
A Ética dos Gatunos...
Digo isso por que outro dia ouvi um breve comentário na CBN a respeito de um pedido de desculpas inusitado.
Sua Excelência, o chefe dos chefes e mandatário de quase todos os poderes de nossa república, o Senador do Maranhão, foi à imprensa pedir desculpa à nação brasileira...
Aí, pegando o bonde no meio do caminho, pensei eu cá com os meus botões...
Será que ele deu alguma entrevista mal planejada e acabou ofendendo algum setor da sociedade?
Ou quem sabe, disse o que não devia ou podia das mulheres, dos trabalhadores ou dos portadores de necessidades...
Será...
E fiquei ali, com o ouvido no rádio e o olho na estrada naquela manhã de quarta por sobre uma JK sonolenta e sem graça...
É...
Digo sem graça por que foi essa a sensação que senti, por ainda acreditar em contos de fada e estórias da carochinha...
Sua excelência pedia desculpa por não saber que recebia mensalmente R$ 3500,00 de nosso dinheiro para morar, não sei de que forma, em uma residência que ele não morava, por já possuir, além de moradia paga pelo senado, sua própria residência em Brasília. E, diga-se de passagem, que moradia.
A sua Própria?
Não...
estou falando daquela paga pelo senado (Não obstante a sua também é um palacete de fazer inveja ao empresariado local...).
No fim da reportagem fiquei sabendo da história toda e percebi no contexto o surgimento de uma nova ética embutida nos corredores de nossas casas legislativas...
Lá, conforme o que se sabe, vez por outra conseguem inverter a ordem instituída e distorcer a lógica das possibilidades...
Sua Excelência pedia desculpa por devolver o produto de um roubo, meticuloso, arbitrário e misterioso...
Misterioso porque nem ele, dono da conta bancária sabia dos (“míseros centavos”) depósitos feitos pelo senado há mais de ano...
Neste ponto voltei a conversar com os meus botões, e fiquei imaginando, que realmente é impossível controlar a entrada e o sumiço de alguns poucos centavos em minha conta bancária de professor assalariado com carga horária de quase sessenta horas semanais...
Mas...
como fazer para não notar o tal valor mensal em uma conta bancaria...
Aí meus botões... Eureka!
“elucubrações”
É lógico...
Sua excelência deve possuir uma conta bancária em que de repente R$ 3500,00 não passem de nada mais que alguns míseros centavos...
Meus botões não deixaram que eu imaginasse os valores Reais de uma conta em que R$ 3500,00 não pudessem ser notados pelo sortudo correntista.
Arbitrário, porque a mesma excelência afirmou de pé junto que não sabia dos depósitos, e que jamais o havia solicitado o tal auxílio moradia ao senado, casa do povo e de gatunos, do qual é presidente.
Claro que tal atitude não seria surpresa se o parlamentar em questão fosse um suplente de gatuno recém chegado com a cartilha na mão...

Nesse momento meu carro passava em frente a uma agência do BRB, e eu com mil contas para pagar, fiquei tentado, a entrar lá com um pedaço de pau na mão e anunciar um assalto...
sair correndo em seguida...
para logo, não mais que alguns passos ser preso incondicionalmente, afinal, sou professor...
Mas, com muita argumentação, quase que sindical, pensei logo que poderia eu talvez, pedir desculpas e devolver os reais roubados ao gerente, ao policial e a todos os assustados trabalhadores daquela manhã já não tão sonolenta, mas ainda sem graça...
Mas minhas desculpas me tirariam o direito de ficar calado...
E então, pensando nos honorários de um advogado...
e no que meus alunos iriam dizer...
fiquei sem graça mais uma vez...
A lógica invertida dos gatunos não serve para trabalhadores assalariados e cidadãos não blindados por gravatas de seda e ternos pomposos...
Para estes, o que não é proibido, é sumariamente permitido...
Através de uma brecha na lei e um lapso de consciência política eles se apegam furtivamente à ética dos gatunos...
- PEDIR DESCULPA QUANDO ROUBAR SEM SABER QUE ESTÁ ROUBANDO.
- OU QUANDO ROUBAR ALGO QUE NÃO EXISTE NADA DIZENDO QUE NÃO POSSA SER ROUBADO
- MORAR EM TRÊS CASAS, UMA SUA, UMA PAGA PELO GOVERNO E OUTRA FICTICIA, TAMBÉM PAGA PELO GOVERNO.
- NEGAR TUDO E LAMENTAR O MAL ENTENDI, AFINAL SER UM PARLAMENTAR É UM ESFORÇO MUITO GRANDE PARA UM HOMEM SÓ.
- DAR CALOROSAS ENTREVISTAS, QUASE CHORANDO, E DIZENDO QUE A MÍDIA ESTÁ PEGANDO NO PÉ DOS PARLAMENTARES BRASILEIROS...

E vejam bem, sua Excelência é homem público a mais de 50 anos, já foi senador, presidente, deputado, governador, prefeito...
O que mais um gatuno poderia ser...
Só espero, pensei eu cá com meus botões chateados, pela manutenção de minha fé cristã, que em tenra idade sua excelência não tenha sido um dedicado coroinha...
Neste caso se assim o fosse, até talvez aí, quem sabe a história não tivesse sido um pouco diferente...

Comentários

  1. Amigos.
    Não sou jornalista nem escrevo bem.
    Sou aposentado, recebendo do INSS e tendo o IR descontado na fonte. Não recebo as benesses de nosso apedeuta mor que tem pensão do INSS acima do máximo, isento de Imposto de Renda por se achar perseguido político, ou melhor, por se anistiado político.
    Luto com as armas que tenho que é um blog, como forma de desabafar ao ver tanta roubalheira, falta de ética, falta de honestidade e principalmente falta de vergonha na cara desta quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto.
    Quero convidar os amigos a participarem da minha forma de protesto, o blog Brasil – Liberdade e Democracia - http://brasillivreedemocrata.blogspot.com/.
    Se não levantarmos nossas vozes em protesto o que será deste país para nossos filhos e netos?
    Agora é a hora de lutarmos por uma pátria livre democrática, e sobre todo com governantes honestos e éticos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Vamos compartilhar nossas possibilidades.
Distribuir nossas idéias.
Agir e interagir no espaço comun dos blogeiros de qualquer tipo.

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA CLÁSSICA E AS IDEIAS DE MAQUIAVEL.

A tradicional concepção de política  proposta por Aristóteles, prevê uma visão oriunda da natureza humana  e que através de um continuo aprimoramento leva o indivíduo a  desenvolver um comportamento virtuoso por meio de escolhas que  possibilitem  a realização do bem comum e individual no contexto social grego. Há uma estreita relação entre o comportamento ético e o comportamento político, que inevitavelmente está ligado à moral, pois o ato de perseguir este bem moral, este bem comum, o bem da polis leva o indivíduo  a exercer e deliberar sobre os assuntos da polis. E isso reflete uma igualdade entre aos cidadãos, que a partir da unidade constroem a diversidade, princípio fundamental da vida e da política grega segundo Aristóteles. Nesta perspectiva, contrariando o pressuposto lógico da anterioridade do indivíduo, a polis é anterior a este, e este sem a polis não poderia existir. É a cidade que sustenta conceitualmente o individuo e é por meio dela que o individuo realiza e potencializ…

Esoterismo é uma religião?

Bem, foi esta pergunta que uma grande amiga me fez outro dia, quando por ocasião de uma situação inusitada, ouvíamos na CBN uma entrevista com Teólogo e Professor de filosofia da UFRJ, Leonardo Boff. O repórter da CBN havia lhe perguntando a respeito da reação tardia da igreja católica sobre a onda de casos de pedofilia envolvendo padres católicos.

Durante o papo e falando sobre a problemática da sexualidade humana, na igreja e na família como um todo, acabei pegando um gancho nas belíssimas respostas dada por este grande mestre Leonardo, e lhe apresentei minha posição pessoal sobre o que significa Integração Holística, busca ao transcendente, equilíbrio humano, dualidade e outros tantos conceitos que fazem parte do dicionário de quem, sem dar nome ao bois tem uma busca pessoal baseada na verdadeira acepção da palavra religiosidade.

No vai-e-vem do papo ontológico que travamos, referi-me ao conceito de esoterismo como um caminho de integração e conexão (No sentido de Religare e não de…

O Discurso do Método Terceira parte

O estudo da obra de Descartes, mais precisamente entre a 3ª e 4ª parte do Discurso do Método, conforme proposto pelo professor, iniciou-se com a revisão dos conceitos elaborados pelo autor que culminaram com a sua mais famosa máxima: Penso, Logo Existo. A partir desta perspectiva o mesmo constrói sua linha de raciocínio em busca de uma contínua desconstrução de todo e qualquer obstáculo ao princípio de verdade. O que o autor define como Dúvida Metódica. Começa por meio da implantação de um filtro, onde através de análises profundas e metódicas, estabelece um critério básico como ferramenta de aprimoramento de suas idéias. Esse filtro se refere, portanto à definição da verdade e da falsidade nas coisas. Aquilo que possuir a verdade em sua totalidade, passa no filtro do que pode ser dito como verdade e de outra forma, aquilo, que possuir ou conter mesmo que pequenos traços de falsidade deve ser descartado do contexto das verdades dotadas de clareza e exatidão em sua essência.

Em busca …