Pular para o conteúdo principal

Psicologia reversa do Criador

Nunca me preocupei exatamente com o significado que poderia haver por tráz da Psicologia Reversa aplicada cotidianamente nos consultórios, compulsórios e notórios de nossa ralidade planetária.
Não me assustei com a claustrofóbica combinação de respostas que encontrei em minha inicial e simplificada busca.

Não me assustei com o conjunto de eventos, que me nortearam a esta busca.
Não me assustei com a dor e nem tampouco com a inércia mental, que momentâneamente me invadiu por ocasião da supervalorização que dei a estes eventos.
Não me assustei...
Apenas no silêncio que me sobrou através de brechas filtradas, procurei as antíteses que sem precedentes se desenrolavam em uma sequência que hora linear me projetava em direção à realidade e hora randômicamente incontroláveis, me faziam perder o fôlego.
Segurei-me na condição, que humana, abrigava minhas fraquezas e vacilos...
Minhas inusitadas reações...
E meu alucinado medo de que invariavelmente esse ciclo contínuo e initerrupto de eventos, que na maioria das vezes, me tiravam mais que fôlego apenas, se tornassem eternos.
Então...na tempestade procurei abrigo...
Analisadno a inversão...observando a costumaz contróversia de meus anseios com minhas loucuras...
De minha vontades com mihnas perdas...
E fui pesando em mais que medidas e retóricas...
E foi saindo de leve de minha mentalidade apaixonada, através de um mecanismo além da reversão das coisas, dos valores e das futilidades empacotadas...
E fui guiando, sobre as teias da realidade, o pouco que me restava...
Desse pouco, vi tudo o que não possuia realemte e tudo que me era dado como teste, prova e senda.
Na calmaria depois...pude ver o propósito apesar da dor ainda doer e do fogo ainda queimar...
Apesar da alma liberta ainda não poder voar...
E apesar da psicologia reversa...
aplicada por um mestre aparentemente intangível...
Percebi a lógica da loucura dos eventos...
e a força que eles sobre mihna alma estavam exercendo...
Sem medo coloquei meus pés sobre o palco da vida...
e comecei a correr...no sol, na chuva, na rua...
onde reside o funcionamento das coisas...
e onde quero plantar minhas raízes de fé...

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA CLÁSSICA E AS IDEIAS DE MAQUIAVEL.

A tradicional concepção de política  proposta por Aristóteles, prevê uma visão oriunda da natureza humana  e que através de um continuo aprimoramento leva o indivíduo a  desenvolver um comportamento virtuoso por meio de escolhas que  possibilitem  a realização do bem comum e individual no contexto social grego. Há uma estreita relação entre o comportamento ético e o comportamento político, que inevitavelmente está ligado à moral, pois o ato de perseguir este bem moral, este bem comum, o bem da polis leva o indivíduo  a exercer e deliberar sobre os assuntos da polis. E isso reflete uma igualdade entre aos cidadãos, que a partir da unidade constroem a diversidade, princípio fundamental da vida e da política grega segundo Aristóteles. Nesta perspectiva, contrariando o pressuposto lógico da anterioridade do indivíduo, a polis é anterior a este, e este sem a polis não poderia existir. É a cidade que sustenta conceitualmente o individuo e é por meio dela que o individuo realiza e potencializ…

Esoterismo é uma religião?

Bem, foi esta pergunta que uma grande amiga me fez outro dia, quando por ocasião de uma situação inusitada, ouvíamos na CBN uma entrevista com Teólogo e Professor de filosofia da UFRJ, Leonardo Boff. O repórter da CBN havia lhe perguntando a respeito da reação tardia da igreja católica sobre a onda de casos de pedofilia envolvendo padres católicos.

Durante o papo e falando sobre a problemática da sexualidade humana, na igreja e na família como um todo, acabei pegando um gancho nas belíssimas respostas dada por este grande mestre Leonardo, e lhe apresentei minha posição pessoal sobre o que significa Integração Holística, busca ao transcendente, equilíbrio humano, dualidade e outros tantos conceitos que fazem parte do dicionário de quem, sem dar nome ao bois tem uma busca pessoal baseada na verdadeira acepção da palavra religiosidade.

No vai-e-vem do papo ontológico que travamos, referi-me ao conceito de esoterismo como um caminho de integração e conexão (No sentido de Religare e não de…

O Discurso do Método Terceira parte

O estudo da obra de Descartes, mais precisamente entre a 3ª e 4ª parte do Discurso do Método, conforme proposto pelo professor, iniciou-se com a revisão dos conceitos elaborados pelo autor que culminaram com a sua mais famosa máxima: Penso, Logo Existo. A partir desta perspectiva o mesmo constrói sua linha de raciocínio em busca de uma contínua desconstrução de todo e qualquer obstáculo ao princípio de verdade. O que o autor define como Dúvida Metódica. Começa por meio da implantação de um filtro, onde através de análises profundas e metódicas, estabelece um critério básico como ferramenta de aprimoramento de suas idéias. Esse filtro se refere, portanto à definição da verdade e da falsidade nas coisas. Aquilo que possuir a verdade em sua totalidade, passa no filtro do que pode ser dito como verdade e de outra forma, aquilo, que possuir ou conter mesmo que pequenos traços de falsidade deve ser descartado do contexto das verdades dotadas de clareza e exatidão em sua essência.

Em busca …