Pular para o conteúdo principal

O Elo Perdido do Equilíbrio Humano

Durante o processo evolutivo dos aspectos totais da raça humana, estivemos constantemente em ascendente batalha com nosso principio fundamental.
O que rege nossa masculinidade universal e nossa feminilidade universal.
Assim, somos duais por natureza...
Do ponto de vista psicológico, segundo as fantásticas teorias do mestre Jung, e do ponto de vista espiritual segundo a essência primeira do cosmos como um todo.
Estamos divididos portanto em duas formas de pensamento-existência com características distintas.
Ora somos sensíveis e artisticamente versáteis...
Ora somos truculentos e matematicamente operacionais...
Somos homens e somos mulheres...
Crianças e velhos...
Somos noite e dia...
Sol e lua...
Intempéries e calmaria.

Deixamos nossas necessidades mais internas para sucumbir no mundo exterior...
Como caçadores de relíquias, vamos abrindo clareiras em meio a selva...
Rasgando montanhas de loucura e quebrando icebergues de ignorância..
Não obstante, sucumbimos em meio ao turbilhonar da maquina racionalista que abrigamos no crânio...
E então entramos em processo continuo de sabotagem interna...
e contra nós mesmos arquitetamos o grande golpe...
Burlando a sabedoria...
Mentindo...
Sofrendo...
E quebrando a cara...
Em um interminável e desgastante concretismo alienado...
Sem ver...
no vão de nossas débeis possibilidades mecanicistas que é na simplicidade do rompimento...
Da quebra...
E do cessar de nossa mente fantástica, que encontraremos o equilíbrio de nossas faculdades mais sinceras...
O equilíbrio pleno entre o yin e o yang...da filosofia chinesa...
O machismo e o feminismo do ocidental planificado...
A arte da sensibilidade com a força do empirismo

Equilibrando, no cerne da existência, o homem e a mulher que possuímos...
Equilibrando e tornando pacífica a convivência entre nossas neuroses na guerra do ego
Enfrentando a sombra e a escuridão de nós mesmos
Do que somos verdadeiramente, oscilando nos confins de nossa consciência entre o santo e o pecador...
O profano humanamente possível...
E definitivamente o divino,
fim último de nossa dualidade terrena.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA CLÁSSICA E AS IDEIAS DE MAQUIAVEL.

A tradicional concepção de política  proposta por Aristóteles, prevê uma visão oriunda da natureza humana  e que através de um continuo aprimoramento leva o indivíduo a  desenvolver um comportamento virtuoso por meio de escolhas que  possibilitem  a realização do bem comum e individual no contexto social grego. Há uma estreita relação entre o comportamento ético e o comportamento político, que inevitavelmente está ligado à moral, pois o ato de perseguir este bem moral, este bem comum, o bem da polis leva o indivíduo  a exercer e deliberar sobre os assuntos da polis. E isso reflete uma igualdade entre aos cidadãos, que a partir da unidade constroem a diversidade, princípio fundamental da vida e da política grega segundo Aristóteles. Nesta perspectiva, contrariando o pressuposto lógico da anterioridade do indivíduo, a polis é anterior a este, e este sem a polis não poderia existir. É a cidade que sustenta conceitualmente o individuo e é por meio dela que o individuo realiza e potencializ…

Esoterismo é uma religião?

Bem, foi esta pergunta que uma grande amiga me fez outro dia, quando por ocasião de uma situação inusitada, ouvíamos na CBN uma entrevista com Teólogo e Professor de filosofia da UFRJ, Leonardo Boff. O repórter da CBN havia lhe perguntando a respeito da reação tardia da igreja católica sobre a onda de casos de pedofilia envolvendo padres católicos.

Durante o papo e falando sobre a problemática da sexualidade humana, na igreja e na família como um todo, acabei pegando um gancho nas belíssimas respostas dada por este grande mestre Leonardo, e lhe apresentei minha posição pessoal sobre o que significa Integração Holística, busca ao transcendente, equilíbrio humano, dualidade e outros tantos conceitos que fazem parte do dicionário de quem, sem dar nome ao bois tem uma busca pessoal baseada na verdadeira acepção da palavra religiosidade.

No vai-e-vem do papo ontológico que travamos, referi-me ao conceito de esoterismo como um caminho de integração e conexão (No sentido de Religare e não de…

O Discurso do Método Terceira parte

O estudo da obra de Descartes, mais precisamente entre a 3ª e 4ª parte do Discurso do Método, conforme proposto pelo professor, iniciou-se com a revisão dos conceitos elaborados pelo autor que culminaram com a sua mais famosa máxima: Penso, Logo Existo. A partir desta perspectiva o mesmo constrói sua linha de raciocínio em busca de uma contínua desconstrução de todo e qualquer obstáculo ao princípio de verdade. O que o autor define como Dúvida Metódica. Começa por meio da implantação de um filtro, onde através de análises profundas e metódicas, estabelece um critério básico como ferramenta de aprimoramento de suas idéias. Esse filtro se refere, portanto à definição da verdade e da falsidade nas coisas. Aquilo que possuir a verdade em sua totalidade, passa no filtro do que pode ser dito como verdade e de outra forma, aquilo, que possuir ou conter mesmo que pequenos traços de falsidade deve ser descartado do contexto das verdades dotadas de clareza e exatidão em sua essência.

Em busca …