Pular para o conteúdo principal

Missão Impossível no Senado Federal

Existe um complicado conjunto de interesses e questões obscuras envolvendo setores da Polícia Federal e o primeiro escalão do Senado Federal.
Tudo é um assombroso carrossel de poder e intrigas em um nível que deixaria até mesmo a rainha dos best-seller policiais, Agatha Christie, de cabelo em pé.
Estamos vivendo no quintal da República um misto de crime, traição, ameaça e suspense regados com uma adocicada dose de dinheiro público envolvido na trama fantástica de corrupção, poder e polícia.

De corrupção, por um lado porque o enredo se faz de negociatas partidárias, mandos e desmandos executivos e até de uma ativa encenação da Justiça Federal em um emaranhado de Cenas de nossa política explicita, onde figuras poderosas e estreladas do serviço público estão envolvidas até o último ato, atuando magistralmente no palco público de um teatro fantasmagórico e perigoso.

De poder, por outro lado, por que em algum ponto linear dessa trama cinematográfica figuram criaturas estilizadas, que através de suas posições na rede de intrigas de nossa cadeia republicana, mandam, de certa forma que pessoas especializadas, disfarçadas, rápidas e não tão eficientes façam uma visita secreta, silenciosa e noturna, a um ambiente Federal, com objetivos de fazer inveja a qualquer 007, infiltrando no ninho de ovos de ouro choco, e roubando "quem sabe lá deus o que? em papéis e documentos, em uma plástica Missão Impossível mal cumprida...ops
Mal cumprida...pois é...
Como em toda boa trama...
a sempre a tensão...
a sempre um erro...
O alarme sempre toca e o vilão é "quase" sempre é preso por um herói de plantão.
E ele estava lá...
Em algum lugar nos obscuros labirintos do poder tupiniquim estava Marinalvo...
O segurança. Honesto...trabalhador e curioso...

E é nesse ato que a coisa virou caso de polícia.
Interrogado sobre a silenciosa incursão em um escritório do Anexo I do Senado Federal, o segurança Marinalvo, confirmou...
"Houve sim uma entrada fora do expediente normal naquele escritório..."
"Levaram sim uma van carregada de papéis e documentos..."
"Estavam sim, assustados e preocupados...olhando para os lados..."
"E o alarme tocou sim...eu estava lá e ouvi..."

A coisa ficou ainda mais tipo tela quente, quando do topo da trama alguém ligou para o pobre Marinalvo e com uma voz de Darth Vader avisou-o de que a partir daquele momento ele seria um arquivo morto...
Tão morto quanto os papéis e documentos que foram roubados...

Sendo ou não enredo de corrupção, poder e polícia, de algum gabinete oficial superior onde repousam as estrelas de primeira grandeza saiu um comunicado negando que estes Atos tivessem realmente acontecido no cenário em questão.
Negando que alguém tivesse entrado no prédio...
Negando que um alarme tivesse tocado...
Negando...
Negando a van...
Negando os documentos...
E negando até a história de arquivo morto - Pobre Marinalvo
Só não negaram que ele...Marinalvo...trabalha lá...

E foi negando toda essa história sherlockiana, que nos mostraram que no rol das trapalhadas dos artistas, heróis, mocinhos e vilões, estamos nós eleitores, contribuintes, protagonistas palhaços e caricaturados de um Brasil que é uma gigantesca e suja comédia sem graça.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA CLÁSSICA E AS IDEIAS DE MAQUIAVEL.

A tradicional concepção de política  proposta por Aristóteles, prevê uma visão oriunda da natureza humana  e que através de um continuo aprimoramento leva o indivíduo a  desenvolver um comportamento virtuoso por meio de escolhas que  possibilitem  a realização do bem comum e individual no contexto social grego. Há uma estreita relação entre o comportamento ético e o comportamento político, que inevitavelmente está ligado à moral, pois o ato de perseguir este bem moral, este bem comum, o bem da polis leva o indivíduo  a exercer e deliberar sobre os assuntos da polis. E isso reflete uma igualdade entre aos cidadãos, que a partir da unidade constroem a diversidade, princípio fundamental da vida e da política grega segundo Aristóteles. Nesta perspectiva, contrariando o pressuposto lógico da anterioridade do indivíduo, a polis é anterior a este, e este sem a polis não poderia existir. É a cidade que sustenta conceitualmente o individuo e é por meio dela que o individuo realiza e potencializ…

Esoterismo é uma religião?

Bem, foi esta pergunta que uma grande amiga me fez outro dia, quando por ocasião de uma situação inusitada, ouvíamos na CBN uma entrevista com Teólogo e Professor de filosofia da UFRJ, Leonardo Boff. O repórter da CBN havia lhe perguntando a respeito da reação tardia da igreja católica sobre a onda de casos de pedofilia envolvendo padres católicos.

Durante o papo e falando sobre a problemática da sexualidade humana, na igreja e na família como um todo, acabei pegando um gancho nas belíssimas respostas dada por este grande mestre Leonardo, e lhe apresentei minha posição pessoal sobre o que significa Integração Holística, busca ao transcendente, equilíbrio humano, dualidade e outros tantos conceitos que fazem parte do dicionário de quem, sem dar nome ao bois tem uma busca pessoal baseada na verdadeira acepção da palavra religiosidade.

No vai-e-vem do papo ontológico que travamos, referi-me ao conceito de esoterismo como um caminho de integração e conexão (No sentido de Religare e não de…

O Discurso do Método Terceira parte

O estudo da obra de Descartes, mais precisamente entre a 3ª e 4ª parte do Discurso do Método, conforme proposto pelo professor, iniciou-se com a revisão dos conceitos elaborados pelo autor que culminaram com a sua mais famosa máxima: Penso, Logo Existo. A partir desta perspectiva o mesmo constrói sua linha de raciocínio em busca de uma contínua desconstrução de todo e qualquer obstáculo ao princípio de verdade. O que o autor define como Dúvida Metódica. Começa por meio da implantação de um filtro, onde através de análises profundas e metódicas, estabelece um critério básico como ferramenta de aprimoramento de suas idéias. Esse filtro se refere, portanto à definição da verdade e da falsidade nas coisas. Aquilo que possuir a verdade em sua totalidade, passa no filtro do que pode ser dito como verdade e de outra forma, aquilo, que possuir ou conter mesmo que pequenos traços de falsidade deve ser descartado do contexto das verdades dotadas de clareza e exatidão em sua essência.

Em busca …