Pular para o conteúdo principal

Uma breve história do tempo em que comecei a teorizar.

Bem, aqui estou eu, emancipando-me, vivo, aberto à consciencia e definitivamente perdendo-me em meio aos infortúnios e desencontros do fantástico carrossel de teorias a que nós, pobres mortais, estamos constantemente envolvidos.
Sei que muitos acham que não é simples falar a respeito de coisas pelas quais não temos profundo conhecimento acadêmico, formação e credenciamento inquestionável.
Certo? Errado!
A realidade da qual fazemos parte e cujos desdobramentos, sejam eles quânticos ou clássicos, religiosos ou fundamentalistas, humanos ou selvagens, são responsaveis pela infinidade de formas de pensar, ser e agir na sociedade interligada no contexto da 3ª revolução tecnológica. Somos parte daquilo que construímos como povo, nação e sociedade e por isso somos responsáveis pela formação de conceitos, estruturas e interações no campo da inteligência, da criatividade, da informação e da re-informação humana.
O blog não pretende abarrotar seus visitantes com maciças teorias a respeito de tudo e de todos. De visões conservadoras ou revolucionárias.
De silogismos ou determinismos incompreendidos.
Não.
Pretendemos TEORIZAR.
E isso significa, antes de qualquer coisa, criar alternativas para o inusitado.
Supor e pressupor a respeito do impensado.
Sem medo do academicismo sufocante, mas de pé no chão e de caneta afiada, digo teclado afiado...
Espero que um portal de criatividade, inovação e comunicação esteja se abrindo a partir dessa iniciativa, que longe de ser única e impar em sua categoria, pretende ao menos ser diferente e criativa em sí.
Um abraço.

Todo dia um novo pensamento...
Uma nova forma e uma nova visão de mundo...
Todo dia uma teoria inédita a respeito daquilo que o ocidente aprendeu a esquecer.
Vander Soares

Comentários

Postar um comentário

Vamos compartilhar nossas possibilidades.
Distribuir nossas idéias.
Agir e interagir no espaço comun dos blogeiros de qualquer tipo.

Postagens mais visitadas deste blog

POLÍTICA CLÁSSICA E AS IDEIAS DE MAQUIAVEL.

A tradicional concepção de política  proposta por Aristóteles, prevê uma visão oriunda da natureza humana  e que através de um continuo aprimoramento leva o indivíduo a  desenvolver um comportamento virtuoso por meio de escolhas que  possibilitem  a realização do bem comum e individual no contexto social grego. Há uma estreita relação entre o comportamento ético e o comportamento político, que inevitavelmente está ligado à moral, pois o ato de perseguir este bem moral, este bem comum, o bem da polis leva o indivíduo  a exercer e deliberar sobre os assuntos da polis. E isso reflete uma igualdade entre aos cidadãos, que a partir da unidade constroem a diversidade, princípio fundamental da vida e da política grega segundo Aristóteles. Nesta perspectiva, contrariando o pressuposto lógico da anterioridade do indivíduo, a polis é anterior a este, e este sem a polis não poderia existir. É a cidade que sustenta conceitualmente o individuo e é por meio dela que o individuo realiza e potencializ…

Esoterismo é uma religião?

Bem, foi esta pergunta que uma grande amiga me fez outro dia, quando por ocasião de uma situação inusitada, ouvíamos na CBN uma entrevista com Teólogo e Professor de filosofia da UFRJ, Leonardo Boff. O repórter da CBN havia lhe perguntando a respeito da reação tardia da igreja católica sobre a onda de casos de pedofilia envolvendo padres católicos.

Durante o papo e falando sobre a problemática da sexualidade humana, na igreja e na família como um todo, acabei pegando um gancho nas belíssimas respostas dada por este grande mestre Leonardo, e lhe apresentei minha posição pessoal sobre o que significa Integração Holística, busca ao transcendente, equilíbrio humano, dualidade e outros tantos conceitos que fazem parte do dicionário de quem, sem dar nome ao bois tem uma busca pessoal baseada na verdadeira acepção da palavra religiosidade.

No vai-e-vem do papo ontológico que travamos, referi-me ao conceito de esoterismo como um caminho de integração e conexão (No sentido de Religare e não de…

O Discurso do Método Terceira parte

O estudo da obra de Descartes, mais precisamente entre a 3ª e 4ª parte do Discurso do Método, conforme proposto pelo professor, iniciou-se com a revisão dos conceitos elaborados pelo autor que culminaram com a sua mais famosa máxima: Penso, Logo Existo. A partir desta perspectiva o mesmo constrói sua linha de raciocínio em busca de uma contínua desconstrução de todo e qualquer obstáculo ao princípio de verdade. O que o autor define como Dúvida Metódica. Começa por meio da implantação de um filtro, onde através de análises profundas e metódicas, estabelece um critério básico como ferramenta de aprimoramento de suas idéias. Esse filtro se refere, portanto à definição da verdade e da falsidade nas coisas. Aquilo que possuir a verdade em sua totalidade, passa no filtro do que pode ser dito como verdade e de outra forma, aquilo, que possuir ou conter mesmo que pequenos traços de falsidade deve ser descartado do contexto das verdades dotadas de clareza e exatidão em sua essência.

Em busca …